Em uma maternidade ou na manjedoura?

Parto no campo missionário

 Logo nos primeiros dias da descoberta de uma gravidez, saber previamente onde irá nascer o bebê, é confortante e essencial para nos sentirmos seguras para o parto, principalmente se for o primeiro filho. Se contamos com um plano de saúde, logo saberemos qual maternidade este pode nos proporcionar. De igual maneira pelo SUS, já que é definido por nosso endereço.

Enfim, buscamos um lugar que nos possa garantir o mínimo de segurança e conforto. No entanto, no campo missionário transcultural, tudo pode não ser tão óbvio assim.  Mas em meio à incertezas, falta de clareza e temores, Deus manifesta seu cuidado de maneira que seus propósitos são realizados e vidas abençoadas.

adorable cute young pregnant woman posing

Tudo está preparado

Deus está cuidando de tudo para a chegada do nosso filho, mesmo sendo em uma terra estrangeira. Ele mesmo preparou todas as coisas para o nascimento de seu filho Jesus. Tudo planejado previamente e com propósito. Ele não nasceu em um estábulo por um acaso. Ele não ficou enrolado em panos em uma manjedoura por acaso. Suas visitas, pastores poucos populares, também não estiveram ali por acaso. Uma mistura de pobreza com glória, já que até milhares de anjos veio cantar-lhe uma poderosa canção de ninar dizendo “Glória a Deus nas maiores alturas”.

Tudo isso para mostrar o Rei humilde que seria o Filho de Deus e como seria seu reinado. Da mesma forma, o Senhor está velando para a chegada do nosso filho no campo missionário ou fora dele. Veja como passou comigo.

Deus tem algo especial para cada um de nós

Quando engravidei do nosso filho primogênito em 2002, vivíamos em um país da África Ocidental, as coisas aqui eram bem diferentes do que são  hoje. Havia poucos hospitais e maternidades. E o sistema público de saúde estava fora de cogitação para uma estrangeira. Eu estava fazendo meu pré-natal em uma maternidade cara e de referência, porque na verdade não conhecíamos outra. E ainda assim, eu confesso que não me sentia segura e em paz.

Eu estava decidida a ter nosso filho naquela maternidade, simplesmente porque todas as missionárias tinham realizado parto nesse local. Até que um dia, compartilhando com uma amiga  sobre a minha tristeza e preocupação em relação ao meu parto, ela disse: “ Dani, nem tudo o que é mais caro, é o melhor. E nem tudo o que foi o melhor para os outros, é para você também. Ore e peça a Deus que te mostre o que Ele tem preparado para você.” E assim o fiz. Em oração pedi que o Senhor nos guiasse e mostrasse, apesar de que já estava no sétimo mês de gravidez.

Estar sensível ao direcionamento de Deus é necessário

Desde o primeiro momento que engravidei, três pessoas, em diferentes lugares, me indicaram o nome de uma médica muito boa para me acompanhar. No entanto, eu nunca havia entrado em contato com ela pelo fato de apenas fazer partos no hospital público. Mas aconteceu que uma tarde de domingo, estávamos na capital e por acaso passamos numa rua, que sempre era muito movimentada, mas nesse dia, por ser domingo, estava tudo muito calmo, então foi possível observar uma ambulância estacionada, e logo, uma olhadinha a mais nos demos conta de que ali havia uma maternidade, a qual nunca tinhamos percebido antes. Entramos, pedimos  para conhecer o local e tudo nos pareceu muito limpo e apropriado para um parto.

Foi então que, por fim, contatamos a doutora de quem tanto nos haviam falado, e logo ela entrou em acordo com o dono da maternidade para fazer o meu parto alí. Esta médica foi tão competente e cuidadosa que a partir desse dia ela passou a fazer o parto de outras missionárias nessa maternidade, até mesmo  vinham de países vizinhos para ter o bebê aqui.

Deus está cuidando da chegada do nosso bebê em todo lugar

Nisso pude perceber os cuidados de Deus com os detalhes de nossa vida. O que era novo e desconhecido passou a ser um caminho para outros trilharem com segurança. Onde parecia muito simples e de humilde condição, foi onde eu tive o melhor atendimento e cuidado com meu filho. Quando estamos no campo missionário, é muito importante escutarmos os conselhos e ouvirmos atentamente as experiências daqueles que já vivem aqui há mais tempo.

Foi através destas pessoas que tiveram boa experiência em uma maternidade cara que cheguei até ela, mas que não ia de encontro com minha necessidade. Também foi através de outras missionárias experientes que obtivemos o contato com a doutora. No entanto, foi através de um coração atento a ouvir o que Deus tinha para mim, que fomos guiados à esta humilde maternidade onde  muitas outras missionárias puderam ser atendidas.

Deus está cuidando da chegada do bebê! Fale com Ele todos os teus anseios e preocupações e esteja atenta para ver quantas coisas lindas Ele está para fazer.

Daniela Cóndor

Mais textos relacionados a gestação no campo transcultural:

O bebê chegou, e agora? Gestação no campo transcultural

Vida interrompida

A gravidez e gestação num outro país

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima